O Município

Dados do município/localização

Aniversário: ABRIL
Fundação: 11/04/1747
Gentílico: ARACATIENSE
Unidade Federatíva: CEARÁ
Mesoregião: JAGUARIBE
Microregião: LITORAL DE ARACATI
Distância para a capital: 150,00

Dados de características geográficas

Área: 1.229,19
População: 73188
Densidade: 59,54
Altitude: 5
Clima: TROPICAL ATLÂNTICO E TROPICAL AS
Fuso Horário: UTC-3
Aracati é um Município do Estado do Ceará, no Brasil, a 150 km da capital cearense Fortaleza, fundada em 11 de abril de 1747, teve o núcleo urbano sede do Município tombado em 2000 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) como patrimônio nacional. É a terra onde nasceu o Revolucionário Eduardo Angelim, e também o romancista Adolfo Caminha, o primeiro bispo cearense, Dom Manuel do Rego Medeiros, o abolicionista Dragão do Mar, o ator Emiliano Queiroz e o pianista clássico Jacques Klein. Aracati tem sua população estimada em 72,727 habitantes, e é um polo econômico de serviços, que conta com mais de 3.000 pontos comerciais, destaca-se pela produção da carcinicultura e pescado. Durante anos a cidade recebeu empreendimentos de grande porte como: A fábrica E.B.B.A. (Empresa Bras. de Bebidas e Alimentos), Maris (Pescado), Sapatoterapia, o Aeroporto Dragão do Mar, Energia eólica e o Shopping Pinheiro: O Bom Vizinho, Aracati consolidou-se em 2014 como a cidade mais importante de toda a região e a que mais arrecadou. Em 2015 a cidade ficou entre os três municípios que mais geraram empregos no Ceará. Aracati também é conhecida nacionalmente como o melhor carnaval do Ceará. Muito conhecida pelas suas Praias como: Praia de Canoa Quebrada, Majorlândia e Quixaba dentre outras que fazem parte do Município.
Ceará a partir do mapa de 1629 por Albernaz I

Os primeiros habitantes das terras de Aracati, os índios Potyguara, provavelmente entraram em contato com os europeus em 2 de fevereiro de 1500, através do navegador espanhol Vicente Yáñez Pinzón, que aportara no local denominado Ponta Grossa ou Jabarana, segundo o historiador Tomás Pompeu de Sousa Brasil. Pero Coelho de Souza, durante a expedição contra os franceses que haviam invadido o Maranhão, ergueu, a 10 de agosto de 1603, às margens do Rio Jaguaribe, o Fortim de São Lourenço. A sua permanência deu origem ao povoado de São José do Porto dos Barcos, sucessivamente, Cruz das Almas e Santa Cruz do Aracati. Aracati tornou-se um ponto de apoio militar. Várias edificações foram construídas: Bateria do Retiro Grande, Presídio da Ponta Grossa, Presídio de Coroa Quebrada, Presídio do Morro de Massaió e outras. Quadro de José dos Reis Carvalho de 1859 retratando um moinho de vento feito de carnaúba nos arredores de Aracati. A ocupação definitiva de Aracati teve início com o funcionamento das oficinas ou charqueadas do Ceará, que foram responsáveis por possibilitar a competitividade da pecuária no estado, tendo em vista os privilégios da Zona da Mata pernambucana com a cultura canavieira. Aracati transformou-se então em produtor de carne seca e no principal porto de exportação deste produto para as regiões canavieiras, além de continuar a ser um ponto de apoio militar (Fortim de Aracati), agora com o intuito de proteger o porto, as transações comerciais e os habitantes contra os ataques de índios como os Payacu. A possibilidade de abate e conservação da carne, através do charque, foi a principal responsável pela ocupação e desenvolvimento das terras do Ceará. Por volta de 1740, já existiam oficinas em Aracati, inicialmente no pequeno Arraial de São José dos Barcos do Porto dos Barcos do Jaguaribe, depois elevada à categoria de Vila com o nome de Santa Cruz do Aracati, hoje cidade do Aracati. O comércio de carne e couro atraía abastados senhores de locais diversos. Aracati manteve-se por longo tempo como a localidade de maior influência de formação econômica, social e política do povo cearense. Com o crescimento do povoado, no local, em 1714, foi erguida uma capela e, em 1743, foi instalado um juízo e tabelião local. Já em fins do século XVIII, Aracati se transformara, juntamente com as vilas de São Bernardo das Russas e Icó, na praça de negócios mais desenvolvida do Ceará. Em 10 de fevereiro de 1748, foi elevada à categoria de vila (ato oficial). No mesmo ano, foi erguido um pelourinho e empossada a câmara. Em 1770, foram erguidas a Casa da Câmara e a Cadeia, na Rua do Comércio, antiga Rua das Flores. Em 1779, Aracati contava com cerca de 2 mil pessoas, cinco ruas e muitos sobrados e mais de setenta lojas. Em 1829, foi apresentada, na Assembleia Geral do Ceará, uma proposta que pretendia transferir a sede do Governo da Capitania para a Vila de Aracati, mas a proposta foi rejeitada. Em 25 de outubro de 1842, a vila foi elevada a condição de cidade pela Lei Provincial 244. Em 1824, durante a Confederação do Equador, a vila de Aracati tornou-se palco de um dos acontecimentos marcantes da história do Nordeste Brasileiro: Tristão Gonçalves de Alencar Araripe chefiou tropas rebeldes que atacaram e arruinaram a localidade, permanecendo no local por uma semana. Aracati sofreu com as inundações do Rio Jaguaribe, hoje controladas com a construção de um dique. Eleição Municipal de 1844. As comitivas de eleitores que transitavam pelas ruas e travessas da cidade buscavam suas pousadas nos “currais eleitorais,” verdadeiros acampamentos montados pelos respectivos partidos políticos, aonde iriam se alojar, receber alimentação e orientação, esperando a hora da eleição, que seria realizada no sábado dia 7 de setembro de 1844, na Igreja Matriz, como mandava a legislação eleitoral da época, para eleger os 9 vereadores para Câmara Municipal além do Juiz de Paz. O partido Conservador, apelidado de Caranguejo era liderado pela poderosa família Caminha, cujo chefe o Cel. Silvestre Ferreira dos Santos Caminha, mantinha uma longa predominação na política do Aracati. Nessa eleição municipal, no entanto, sofria as consequências da dissidência de alguns antigos correligionários, que foram denominados de Equilibristas, que se aliando aos Carcarás, cognome do Partido Liberal; preparavam através dessa união, causar uma fragorosa derrota ao seu tradicional rival na política aracatiense, o Partido Conservador, levando à vitória o Partido Liberal, chamado também de Chimango, comandado pelo Cel. João Crisóstomo de Oliveira e membros da família Pamplona, que tinha como maioria dos seus eleitores gente da cidade, enquanto os Caminha contavam com os moradores do sertão. Quando os sinos da Matriz começaram a badalar no começo da manhã do sábado, dia 7 de setembro de 1844, chamando os fiéis para a celebração da missa, era também uma convocação para o comparecimento ao local de votação. Saindo depois da 2ª chamada do sino da Matriz do seu sítio no São José, acompanhado de um séquito de correligionários, todos com as cédulas de votação marcadas com os nomes dos vereadores do partido Caranguejo, Reinaldo da Costa Lima ao chegar ao largo da Matriz encontrou o local tomado por uma multidão. A mesa era composta pelo presidente, geralmente o pároco da cidade, dois secretários e dois escrutinadores, que tinham a competência de reconhecer a identidade dos votantes, receber as cédulas, numerá-las e apurá-las, manter a ordem da votação, requisitar a autoridade competente para fazer observar a lei. À medida que cada votante entregava sua cédula, um dos secretários a numerava, rubricava e recolhia na urna. O voto não era secreto. A lei permitia também o voto dos analfabetos. Terminada a eleição, a própria mesa, a vista de todos, procedia à apuração. Antes do início da votação, o movimento era intenso em todo o largo da matriz, com o ajuntamento dos eleitores de ambas as facções políticas em disputa. A cada momento, um pequeno distúrbio se manifestava no meio da aglomeração. Os chefes políticos, juntamente com o delegado de polícia, sentindo que poderiam perder as rédeas da turba, resolveram então se reunir e tentar entrar num acordo para evitar que um turbilhão de violência e agressões acontecesse espalhando-se por toda a cidade sem nenhum controle das autoridades. Combinaram então que fosse feita a contagem dos votantes ainda antes de votarem. Quem tivesse mais gente sairia vencedor e quem tivesse menos eleitores se desse por vencido e estava assim tudo terminado, sem necessidade de votação. Os Caranguejos, tendo à frente o Cel. Silvestre Ferreira Caminha, reuniram todo seu pessoal em fila. O mesmo aconteceu com os Chimangos que a ordem do Cel. João Crisóstomo de Oliveira se postaram em fila para que pudessem ser contados para finalizar de uma vez por todas aquela pendenga, que se arrastava sem solução ao lado da Praça da Matriz, ao sol que começava a ficar forte, trazendo fadiga e calor para o povaréu. Poderes Politicos A partir de 1748, Aracati passou a possuir uma Câmara Municipal. Só poderiam ter Câmaras Municipais as localidades elevadas à condição de vila. Compunham a Câmara Municipal os chamados “homens bons”; ou seja, pessoas do sexo masculino, portugueses ou filhos de portugueses e que tivessem propriedade e influência política. A cidade por longa de sua historia, sofreu com enchentes conhecido como cheias durante 1922, 1924, 1974 e 1985, esse ultimo resultando na criação de um dique de proteção. Foi reconstruída ao lado direito e de costas para o Rio Jaguaribe para que os ventos levassem para longe os odores dos locais de abate do gado. Esta conformação urbana permanece até os dias de hoje, resultando em uma falta de integração da cidade com o rio responsável por seu surgimento.
Até o ano de 1940 0 carnaval de Aracati sempre mantinha a tradição de começar os festejos mominos 15 dias antes da data oficial. No sábado antes do carnaval iniciava com a chegada do Zé Pereira que era um bloco que animava o povão para a abertura do carnaval. Os homens vestidos de trajes que eram: uma túnica branca, onde pareciam com almas, um capuz na cabeça que não dava para conhecer a pessoa que o estava usando e na mão eles conduziam uma tocha de fogo. A animação era por conta da charanga cantando e tocando marchinhas e frevos.Os ensaios dos blocos eram até sexta e no sábado à noite os blocos já desfilavam pela principal rua da cidade Rua Cel. Alexanzito( Rua Grande).Desfilavam pelas ruas principais os blocos: Marújo da Orgia, Cana-Verde, Contradanças de Velhos, As Baianinhas (organizada pela saudosa Maria Baía), As Lanceiras, Odalisca, Bambas da Orgia, Cangaceiro Lampião e Maria Bonita, Malandro do Morro( homenageava a pequena notável Carmem Miranda), Caveira, Os Índios (fundado por Mané Caboclo, depois passou a ser organizado por Chiquinho dos Santos) e As Ciganas. Pela manhã desfilavam os tradicionais Papangus e à noite abriam os clubes; 7 de Setembro, Democrático e o Aracati-Club.

Os foliões jogavam lança perfume nas moças, serpentina e o confete pela manhã, à tarde saiam várias pessoas vestidas de Papangu, logo em seguida vinha Chico de Janes, Geraldo Cirino e uma mulher que se chamava Dora. Também havia um boi que só saia pela parte da manhã, Barra de Aço e Zé Pandeiro eram o boi e a catita e logo em seguida o Cabe Mais Um.

Não podemos esquecer das pessoas que fizeram parte da história do carnaval de Aracati como: Chico de Janes, Dora, Geraldo Cirino, Barra de Aço, Mestre Hermes, Antônio Nogueira Ponciano, dentre outros…

O último bloco de rua a ser criado em Aracati, foi Os Piratinhas da Santos Dumont (Organizado por Lourdinha de Mestre Hermes, composto em sua maior parte por crianças).

Os anos se passaram e o carnaval mudou um pouco, começaram a trazer Trios Elétricos. Antes de começar o falado mela-mela na rua principal, Cel. Alexanzito (Rua Grande) o primeiro bloco a desfilar era o Cabe Mais Um, em seguida vinha o Malandro do Morro, Caveira, Os Índios, As Baianinhas e Os Piratinhas da Santos Dumont. A abertura do carnaval era no domingo com a presença do rei Momo e a Rainha, o primeiro Rei Momo foi Zé Benício, um mês antes do carnaval, eles faziam a festa no clube para escolher o rei e a rainha do carnaval, depois de escolhidos os dois desfilavam no trio elétrico fazendo a abertura do carnaval. Era entregue a chave da cidade e desfilavam três ou mais dias de carnaval. Após a morte de Zé Benício seu sucessor foi Juarez que reinou durante 6 anos, sucedido por Coelho, Mauro Jorge, Netinho, Evandro e Ricardo.

Originalmente eram quatro dias de folia, mas devido a chegada de vários foliões na sexta-feira Aracati ficou com cinco dias de folia. Na quinta-feira saia a Banda Chico de Janes animando a cidade, hoje é o desfile dos blocos alternativos do carnaval de Aracati; Bob Esponja, Esquina Dos Artistas, A Praça é Nossa, Ação Reggae, Bloco Boa dentre outros…

Hoje existe o mela-mela com trios elétricos indo e voltando na Avenida Coronel Pompeu. Pela manhã os foliões curtem o carnaval na praia de Majorlânida, onde é armado um palco para as bandas tocarem, não existe mais o carnaval da Praça da Comunicação

Arquitetura e Urbanismo

Igreja Matriz

Paroquias e Igrejas;
Paróquia Nossa Senhora do Rosário (Sede):
Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Brancos;
Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos;
Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres;
Igreja de Nosso Senhor do Bonfim;
Capela de Nossa Senhora dos Navegantes (Nicho);
Capelo de Nossa Senhora das Graças (Instituto São José).
Paróquia Santo Antônio (Litoral);
Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem (Sertão).

Os principais eventos

Carnaval de Aracati

Festa da padroeira: Nossa Senhora do Rosário (8 de outubro)
Canoarte (julho),
Carnaval de Aracati (fevereiro / março),
Festa do Senhor do Bonfim (1 de janeiro),
Festa de São Sebastião (20 de janeiro),
Festa do Município (25 de outubro),
Regata de Jangadas de Majorlândia (outubro)
Festival Folclórico-cultural do Baixo-Jaguaribe (janeiro)
FESTMAR – Festival Internacional de Rua do Aracati – Instituto IACB
A Paixão de Cristo do Aracati – Largo da Igreja Matriz – Grupo Teatral Frente Jovem/Instituto IACB

Instituições culturais

Museu de Aracati

Palacete da Biblioteca Pública de Aracati
Biblioteca Municipal de Aracati
Museu Municipal de Aracati
Centro de Artesanato
Em divisão territorial datada de 1995 o município é constituído de 7 distritos: Aracati, Barreiras dos Vianas, Cabreiro, Córrego dos Fernandes, Jirau, Mata Fresca e Santa Teresa. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2014.
A economia conta com sua base na agricultura, no cultivo do caju, coco-da-baía, cana-de-açúcar, mandioca, milho, feijão e carcinicultura (criação de camarões em cativeiro).

Agropecuária: bovino, suíno e avícola. Seus solos possuem grande fertilidade natural.

O sal e a extração mineral de argila são outras importantes fontes de renda do município.

A cidade conta com indústrias dos mais diversificados ramos: nos setores de perfumaria, produtos de limpeza, produtos minerais não metálicos, de madeira, produtos alimentícios, vestuário, calçados, tecidos, couros e peles, bebidas e extração mineral entre outros.

Uma das principais fontes de economia do município é o turismo. Aracati é conhecida nacional e internacionalmente pela praia de Canoa Quebrada, o segundo destino mais procurado no estado do Ceará. Majorlândia e Quixaba também recebem destaque como praias secundárias.
Portão do Mercado Público de Aracati (por Frederico Menezes)
O Mercado Público de Aracati é o centro de negócios do município que vem abastecendo (no atacado e varejo) durante anos a população da cidade, distrito e arredores. Lá são ofertados produtos de todos os tipos, desde vestimenta, artesanato, comidas, remédios, eletrônicos, tecidos, cereais e outros mais. Apresenta também um grande potencial turístico sendo de grande destaque sua arquitetura secular, cultura e costumes dos comerciantes.

A pecuária foi a primeira atividade econômica, que inclusive serviu como meio para o início da ocupação territorial, com a expulsão dos índios que os colonizadores passaram a desenvolver a pecuária ás margens do rio Jaguaribe, a produção era escoada pelo interior do estado. Atualmente, é a segunda atividade econômica mais rentável no município, perde apenas para o turismo. A empresa COMPESCAL (atual MARIS) foi responsável por 14% da produção de pescados no Brasil no ano de 2000.[carece de fontes]

Dentro das atividades econômicas podem-se destacar em meio industrial, o beneficiamento de frutas tropicais, cerâmica e cera de carnaúba. Nas atividades agrícolas: o melão, o milho, a melancia, o feijão, o coco, e a castanha de caju

Na atividade extrativa, destaca-se o petróleo.

Hino

Embalados por brisas suaves
Sob os raios dos sóis tropicais
Tu escutas os hinos das aves
Que revoam os teus carnaubais.

Aracati, cheio de glória
Brilha o teu nome varonil
Nas áureas páginas da história
Do Ceará e do Brasil

Teu passado é invicto e glorioso
Perfumado por mil tradições
E o porvir te saúda formoso
De nossa alma em mil vibrações

Aracati, cheio de glória
Brilha o teu nome varonil
Nas áureas páginas da história
Do Ceará e do Brasil

Pelo amor ao trabalho e ao saber
Confiamos, ó terra natal
Conquistaste a grandeza, o poder
De tornar o teu nome imortal

Aracati, cheio de glória
Brilha o teu nome varonil
Nas áureas páginas da história
Do Ceará e do Brasil

Para o alto ergue a fronte altaneira
Olha a frente o futuro a sorrir
Cresce, brilha, imponente e guerreira
Lutarão os teus filhos por ti.

NOTÍCIAS

#Turismo | 14 DE NOVEMBRO DE 2018

Aracati se prepara para receber, dia 16 de novembro, sexta-feira, durante toda a manhã, no Cine Teatro Francisca Clotilde de Aracati, o 1º Salão do Turismo do Litoral Leste. A realização é da Prefeitura do município, por meio da Secretaria de Turismo e [...]

#Melhoria | 13 DE NOVEMBRO DE 2018

A comunidade do Jirau recebe o prefeito Bismarck Maia, secretários, vereadores e autoridades da Prefeitura do Aracati, na noite de hoje (13), para a 10ª Reinauguração de quadra Poliesportiva apenas no ano de 2018. Na ocasião, acontecem partidas amistosas com jogadore [...]

#Cultura | 13 DE NOVEMBRO DE 2018

Você que é artista local e quer mostrar o seu talento, terá um espaço voltado especialmente para apresentações artísticas e culturais durante o 2º Festival de Gastronomia e Cultura do Aracati, realizado nos dias 15 a 17 de novembro, na Rua Grande. [...]

#Obra | 13 DE NOVEMBRO DE 2018

A Prefeitura do Aracati entrega mais um equipamento público de qualidade. Nesta quarta-feira (14), a partir das 18h, será inaugurado, ao som da banda N- Variáveis, o novo polo de lazer do bairro Farias Brito, antiga quadra do Sesi. Estarão presentes secretários, au [...]

#Cultura | 12 DE NOVEMBRO DE 2018

A maior regata de jangadas do Litoral Leste agitou a praia de Majorlândia neste domingo, 11 de novembro. Em sua 40º edição, a competição, realizada pela Prefeitura do Aracati, por meio da Secretaria de Turismo e Cultura, faz parte do calendário de comemo [...]